e-mail
senha
esqueceu sua senha?
famosos
sexo
modelos
esporte
amador
notícias
chat
blogs
GxG
vídeos


/ notícias
publicado em 11-06-2012

Parada Gay desperta votofobia em candidatos

tag: gay, , , ,


Parada Gay? Vai que eu não vou. Na prática, foi o que disseram entre si e a seus eleitores os principais candidatos a prefeito de São Paulo, onde, no domingo 10, em plena avenida Paulista, se realizou, pelo 16º ano consecutivo, o maior evento do gênero do País. À exceção do deputado Celso Russomando (PR) e da ex-vereadora Soninha Francini (PPS), nenhum dos principais candidatos apareceu no desfile que já faz parte do calendário oficial de eventos da cidade - uma aglutinação de pessoas que lota hotéis, aquece o comércio e rende bons lucros, em impostos, para os cofres públicos municipais. "Os políticos precisam ver os membros da comunidade GLBT (gays, lésbicas, bissexuais e travestis) como cidadãos, não como consumidores", afirmou o organizados da parada, Fernando Quaresma. "Os que não estão aqui certamente têm medo da reação do eleitorado conservador religioso fundamentalista", classificou.

Nenhum dos faltosos assumiu, publicamente, a sindrome da votofobia como o motivo principal pelo não comparecimento. Desculpas do tipo um fim de semana de descanso, como a que foi dada pelo sindicalista Paulinho da Força, candidato do PDT, ou compromissos assumidos anteriormente com a comunidade de Sapopemba, no caso do postulante Gabriel Chalita, do PMDB, deram a tônica das justificativas oficiais.

Permanecer fora de São Paulo foi uma explicação comum aos candidatos José Serra, do PSDB, e Netinho de Paula, do PCdoB. A assessoria do tucano informou que ele precisou estender uma viagem que estava fazendo a Nova York, nos Estados Unidos, enquanto o pecedobista chegou a tuitar que a parada seria "uma grande festa", mas avisou, por sua equipe, que estaria fora da cidade.

"Os pré-candidatos que não estiveram na Parada ou não se interessaram em fazer contato e conhecer quem somos, e são pessoas que não têm uma visão ampliada da política, ou não querem diminuir a diferenciação e o preconceito", cravou o organizador Quaresma.

Entre os postulantes mais destacados pela mídia, apenas Fernando Haddad, do PT, compareceu à sede da organização do evento, na quarta-feira 6. Ali, ele defendeu a promoção do respeito à diversidade de orientação sexual nas escolas da rede pública. Como ministro, Haddad foi responsável pelo kit anti-homofobia, material com informações sobre homossexualidade dirigido a estudantes. No domingo da parada, porém, o candidato petista estava "viajando com a família", enquanto nos bastidores de sua campanha se dizia claramente que o não comparecimento se deu para não atrapalhar as negociações que se desenvolvem pelo voto dos chamados evangélicos, os eleitores que ligados às igrejas pentecostais.

A julgar pela ausência dos candidatos a prefeito, o evento que, segundo os organizadores, reuniu mais de 4 milhões de pessoas, causa mais repulsa no eleitorado do que respeito. Mantida essa posição, porém, a causa da igualdade entre pessoas de orientações sexuais diversas dificilmente irá avançar – e corre o risco de haver um retrocesso nas conquistas alcançadas até aqui. Não seria melhor, para todos, que eles saíssem desse armário?

Fonte: Brasil 247







notícias relacionadas

Jovens detidas por beijo gay pedem indenização a Feliciano
Duas jovens que se beijaram, foram retiradas de um culto evangélico ministrado pelo deputa

Dublagem de novela do SBT transforma gays em héteros
Disposto a evitar polêmicas e driblar possíveis contraindicações do Ministério da Justiça,

Heterossexuais têm fantasias sexuais com amigos, diz estudo
Um novo estudo da Universidade de Portsmouth, na Inglaterra, descobriu por que alguns cara

Rapaz furta R$ 6 só para voltar ao presídio e reencontrar o grande amor
Para poder voltar ao presídio, onde ficou por um ano e lá conheceu o “grande amor de sua v